[Covid-19] Até onde conseguem os idosos estar sós?

Por Joana Marques , 11 de Agosto de 2020 Envelhecimento


Ainda não se passaram seis meses, mas parece já ter sido há uma eternidade que surgiram os primeiros casos da Covid-19 em Portugal. Este desfasamento no tempo é, em parte, consequência do distanciamento social, uma medida necessária para evitar a propagação da doença, mas dramática no que se refere ao impacto psicológico. Indubitavelmente esta situação tem vindo a agravar o sentimento de solidão nos idosos.


O distanciamento tem sido muito duro para os idosos, cujas rotinas de socialização foram alteradas de forma abrupta e sem aviso prévio.



​Independentemente do contexto onde estão inseridos, o dia-a-dia dos mais idosos ainda não voltou ao que era na época pré-pandemia, e cada vez parece mais longe o dia em que vai voltar tudo ao «normal». Nesta fase que antecede os meses de Outono e Inverno, é muito importante saber como é que o seu familiar idoso está a lidar com esta nova realidade. Leia este artigo e saiba como pode minimizar a ansiedade e apreensão que se instalaram nestes tempos de incerteza.




Distanciamento e isolamento: dois caminhos para a solidão nos idosos


A Direcção-Geral de Saúde faz uma clara distinção entre distanciamento social e isolamento social, duas das principais medidas preventivas contra a Covid-19: o primeiro visa reduzir a transmissão do vírus através da limitação de interações sociais entre pessoas; o segundo aplica-se se o indivíduo esteve em contato com alguém infetado ou se ele próprio estiver doente.



As estratégias de combate contra este inimigo invisível podem causar danos colaterais difíceis de avaliar: os psicológicos.



Estas medidas são necessárias para o bem-estar de todos, mas particularmente dos mais idosos, cujo risco de morte se calcula ser 200 vezes superior a partir dos 80 anos. 

Em lares de idosos, centros de dia e casa particulares, a Covid-19 forçou uma nova realidade que se está a transformar num «novo normal», mas nem tudo o que é novo é bom ou faz bem.



A vida social já não é o que era


Os riscos da Covid-19 para a saúde dos idosos forçaram o corte de laços sociais com familiares e amigos, mas também com outras atividades, como as idas ao café ou aos centros de dia. Tudo o que dava alguma dinâmica ao quotidiano dos idosos e lhes ocupava o tempo e o pensamento parece desnecessário e banal perante a obrigação que eles têm de se proteger.



Hoje em dia, ser idoso é fazer apenas o que é necessário. Todas as atividades têm de ter uma boa justificação. 



Se quiserem fazer o que era normal e quotidiano, os mais velhos correm o risco de serem rotulados de inscientes e egoístas. Os contatos remotos passaram a ter primazia sobre os contatos reais e a maior parte dos idosos não estava preparada para uma transição tão abrupta, ou é incapaz de encontrar satisfação plena na comunicação através das novas tecnologias.



É cada vez mais frequente vermos os idosos à janela em busca de um entretém e de contato humano, como fossem espetadores das suas próprias vidas.



O distanciamento físico e social é crucial para manter os idosos longe da Covid-19, mas trouxe isolamento social e solidão, cujos efeitos também podem ser devastadores para a saúde.



Os Centros de Dia fazem (muita) falta


Especialmente em meios rurais e mais pequenos, o encerramento dos Centros de Dia significou um isolamento social forçado. A solidão daí decorrente leva a que o idoso fique num grande estado de fragilidade.



Muitos idosos não têm família ou vivem longe dos familiares, e estão há meses sozinhos em casa desde que estes apoios foram fechados. 



Finalmente existe uma indicação de data para a reabertura dos Centros de Dia, que para muitos idosos representam uma ocasião diária e constante de convívio e de envolvimento em atividades que têm como objetivo proporcionar uma vida mais ativa, criativa e participada. Mas o fecho destas respostas sociais continua a ter consequências, que a longo prazo podem agravar o estado de saúde e aumentando o sentimento de solidão nos idosos, tanto ou mais do que a Covid-19.


Muitos idosos continuam a perder a mobilidade, mais deprimidos e há risco de agravamento de estados demenciais e de dependência.



Entretanto, houve necessidade de reforçar o apoio domiciliário e são muitas as instituições de norte a sul do país que alargaram os seus serviços à alimentação, higiene e medicação. Esta resposta por parte das IPSS e Misericórdias só resolve o problema imediato da alimentação e cuidados básicos. Se os idosos já estavam emocional e psicologicamente fragilizados nos tempos pré-pandemia, mais frágeis ficam agora que estão privados dos estímulos sociais, emocionais e mentais.


Os idosos ficaram privados da socialização, mas também de programas de reabilitação física e motora e de atividades de desenvolvimento.



Além de ser uma população frágil e de risco, os idosos que frequentavam os Centros de Dia antes da pandemia estavam constantemente em trânsito e em contato com diversos tipos de pessoas. Quem defende que é mais seguro manter estes equipamentos encerrados invoca o facto de muitos centros estarem ligados a outras valências, mas os idosos precisam rapidamente de retomar as suas rotinas e atividades, sob pena de verem a sua saúde física e mental gravemente prejudicada.



Ajude o seu familiar idoso a ultrapassar esta crise


​O seu familiar idoso vai sempre precisar de ajuda extra durante a pandemia e existem diversas formas de o auxiliar em questões práticas do dia-a-dia. No entanto, é provável que o idoso precise também de ajuda emocional e psicológica.

É importante que converse regularmente com o seu familiar idoso (por telefone, videochamada ou à porta de casa) para que os sinais não lhe passem despercebidos. 



Esteja atento a pequenas alterações, como a falta de apetite, maiores dificuldades para dormir ou declínio da memória e capacidade cognitiva (que também podem ser sinais de infeção por Covid-19).



Durante esta pandemia, é provável que o idoso experimente alguns destes sentimentos:

  • Medo exacerbado perante a ideia de que o número de contágios por Covid-19 nunca diminuir e afetar as pessoas de quem mais gosta;
  • Ansiedade perante um futuro desconhecido com consequências financeiras que podem afetar a sua qualidade de vida e daqueles que lhe são mais próximos;
  • Ansiedade provocada pela incerteza ou incapacidade de adquirir bens necessários;
  • Falta de esperança no futuro e incapacidade de lidar com a tristeza decorrente do isolamento e afastamento de todas as atividades quotidianas.


Formas de apoiar o idoso em tempos de isolamento 


Mesmo a uma distância de segurança, seja presencialmente ou por telefone, esteja sempre disponível para falar e interessado no que o idoso tem para lhe dizer. Incentive-o a partilhar os seus medos e ansiedades e desvalorize, com tato e paciência, exageros e pensamentos negativos. 


Além disso, é também importante que o idoso sinta que as pessoas à sua volta se preocupam, independentemente da distância física ou geográfica:

  • Pedir aos familiares e pessoas próximas que telefonem ou escrevam com frequência. Se for possível algum contato físico, peça-lhes que façam alguma companhia e que ajudem no que for preciso (compras de supermercado, cozinhar, transporte para consultas);
  • Disponibilize todos os meios de comunicação para facilitar o contato social, em especial a videochamada;
  • Insista nas manifestações verbais de afeto, pois o idoso adora ouvir que é amado;
  • Sugira atividades que o mantenham ocupado: ofereça-lhe um livro ou aconselhe um filme que vai dar na televisão; 
  • Lembre-o com frequência que deve fazer algum exercício, como caminhar pela casa ou fazer alongamentos simples;
  • Sempre que possível, atribua-lhe alguma tarefa ou responsabilidade que o faça sentir-se valorizado;
  • Relembre-o de que a esforço que ele está a fazer para permanecer em casa é para o seu próprio bem e para o bem da comunidade, pois se o idoso  sentir-se-á mais útil se perceber que é um agente ativo de saúde pública.

Para encontrar um lar de idosos

basta submeter um pedido ou ligar 939 667 800.

When visiting our website, you acept the cookies we use to improve your browsing experience.

 

Help?

+351 939 667 800