Longevidade: Estará tudo na família?

Por Susana Pedro , 20 de Novembro de 2018 Longevidade

Para muitos de nós, os nossos pais deram-nos muito. E, do ponto de vista genético, isso não poderia ser mais verdadeiro. De nossa cor de cabelo à nossa altura, do nosso metabolismo ao nosso microbioma, a nossa genética influencia praticamente tudo na nossa biologia e nas nossas vidas.


Um estudo amplamente divulgado, publicado na revista Age and Aging por Aladdin Shadyab e Andrea LaCroix, da UCSD School of Medicine, e colegas, descobriu que a longevidade dos pais previa fortemente o envelhecimento saudável em mulheres. O estudo acompanhou um grupo nacional de mais de 22 000 mulheres na pós-menopausa que participaram na Iniciativa de Saúde da Mulher e determinou que, quando comparadas a mulheres cujas mães tinham apenas 70 anos, mulheres que tinham mães com mais de 90 anos tinham um aumento de 25% probabilidade de viver até aos 90 anos. Notavelmente, este aumento na esperança de vida também foi associado a um aumento na saúde, definido como os anos de vida saudáveis. De facto, mulheres que tiveram mães que viveram além dos 90 anos não apenas viveram mais tempo, mas também mostraram uma diminuição na probabilidade de doenças relacionadas à idade, incluindo doença cardíaca coronária, acidente vascular cerebral, cancro e diabetes. Curiosamente, a idade paterna sozinha não previa um envelhecimento saudável das filhas, mas quando ambos os pais tinham mais de 90 anos, as mulheres tinham um aumento de 38% na obtenção de um envelhecimento mais longo e saudável.


Estes resultados acompanham vários estudos anteriores que demonstram uma ligação entre a idade dos pais e o envelhecimento saudável dos seus descendentes. O estudo pioneiro do New England Centenarian Study mostrou há uma década que crianças de centenários tinham um risco reduzido de enfarte do miocárdio de 78%, um risco de acidente vascular cerebral 83% menor e risco de diabetes 86% menor. Mais recentemente, um estudo britânico, com mais de 186 000 adultos de meia-idade, descobriu que o risco de doença cardiovascular e, em menor escala, cancro, estava inversamente correlacionado com a idade dos pais.


Estes estudos invariavelmente trazem a velha questão da natureza versus criação. Será simplesmente que pais com hábitos saudáveis ​​vivem mais e ensinam a seus filhos um estilo de vida similarmente saudável? Quando o estudo da UCSD controlou fatores de confusão, como renda, educação, nível de atividade, tabagismo e obesidade, foi observado que a associação entre a expectativa de vida dos pais e os padrões de saúde da prole permaneceu. Isso diz-nos que o estilo de vida e os fatores ambientais provavelmente não são os únicos influenciadores do envelhecimento saudável. Estudos realizados em gémeos idênticos (que compartilham 100% de características genéticas) demonstraram de forma similar que a genética influencia uma variedade de características relacionadas à idade, incluindo função cognitiva, função motora e alguns factores de risco cardiovascular. A partir desses tipos de estudos familiares, os investigadores determinaram que aproximadamente 10% (ou menos) da variação na longevidade humana se deve a fatores genéticos. Atualmente, estudos de associação do genoma estão a ser realizados para nos ajudar a identificar alguns dos traços genéticos associados ao envelhecimento saudável e à esperança de vida.


Se a genética contribui com menos de 10% para a longevidade, isso significa que os 90% restantes estão nas nossas mãos e podem ser influenciados pelas nossas escolhas ambientais e de estilo de vida.


Uma ilustração marcante disso é a população de imigrantes okinawanos no Brasil. Okinawa, notoriamente conhecida pela sua longevidade “zona azul”, tem uma expectativa de vida média de pouco mais de 81 anos. No entanto, quando aproximadamente 100 mil habitantes de Okinawa se mudaram para o Brasil em 1900 e adotaram uma dieta e estilo de vida brasileiros, a sua esperança de vida média e a dos seus filhos caíram cerca de 17 anos.


Como não podemos mudar a nossa genética, passar por hábitos saudáveis ​​pode ser o melhor lugar para começar. Na UCSD e em outros estudos, descendentes de pais que viveram longas vidas também tinham maior probabilidade de incorporar alimentação saudável e atividade física na sua vida diária e eram menos propensos a exibir sinais de depressão. Vou [Eric Verdin] discutir ainda mais alguns dos fatores ambientais e estilo de vida que contribuem para o envelhecimento saudável e longevidade em futuros posts no blog. No final, parece que o maior presente que podemos dar aos nossos filhos é viver mais e mais saudáveis.


​Fonte: Buck Institute for Research on Aging


​Procura Lares e Residências para Idosos?

Saiba se há vagas disponíveis | Ligue 939 667 800 

When visiting our website, you acept the cookies we use to improve your browsing experience.

 

Help?

+351 939 667 800