Gestão de lar de idosos: em que custos fixos pode poupar?

Por Sónia Domingues , 28 de Outubro de 2022 Profissionais


A gestão de um lar de idosos em tempos difíceis não é pêra doce. Os elevados encargos fixos mensais, como ordenados, impostos, seguros, pagamentos à segurança social e subsídios, a juntar a despesas como alimentação, eletricidade e material descartável, elevam a gestão do lar a um complicado malabarismo financeiro. Isto tudo torna a tarefa de poupar bastante laboriosa, mas existem gastos que o lar pode disciplinar para um limite mínimo, sem que para isso prejudique os residentes idosos ou o próprio funcionamento da instituição. Neste artigo, vamos encontrar formas de poupar em alguns contratos, de forma a que o orçamento não transborde para um valor incomportável.



Faça uma análise às contas do lar de idosos


Saber os contratos que tem, o que gasta e onde gasta é elementar para fazer uma gestão rigorosa dos gastos e poupar. Chama-se a isto fazer uma análise do perfil de consumo, onde se averigua criticamente as necessidades reais em comparação com os hábitos de consumo, de forma a conseguir poupar preciosos euros que no final do ano fazem diferença.

Após a análise das contas, o lar de idosos poderá elaborar um plano de controle de custos, para poupar nos gastos que são excessivos. Este plano pode incluir a obrigatoriedade de uma autorização superior para qualquer aquisição e a negociação dos contratos já existentes, de modo a poupar algum dinheiro no final do mês.



Opte pelos contratos com a melhor tarifa de eletricidade e gás

Esta é uma pesada despesa em que se pode efetivamente poupar. Se calhar, a tarifa que tem contratada não é a mais competitiva da sua zona. A ERSE, Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, tem um simulador que encontra a melhor tarifa do mercado.

Pode analisar o perfil de consumo por horário e dias da semana, para avaliar se compensa colocar um contador bifásico ou trifásico. Isto representa alguma mudança de hábitos de consumo, mas pode poupar muito no final do mês.

Se formos a analisar o preço do kWh de eletricidade com tarifas únicas e obrigatoriedade do contrato de adesão ao débito direto e à fatura eletrónica, os valores podem variar de 0,2964€ a 0,1408 € por KWh, o que representa uma poupança muito significativa.



O valor da fatura da eletricidade em Lisboa pode variar entre 1280€ e 2589€, se o consumo mensal do lar for de 7000kWh, excluindo taxas.


Simulação de contrato de eletricidade para um lar em Lisboa

Também pode verificar, junto das empresas, se poupa mais em fazer um contrato único de gás e eletricidade ou se não será vantajoso para o seu negócio. Uma vez que o gás natural também está sujeito a diferentes tarifas praticadas pelas empresas distribuidoras, poderá fazer uma simulação no website da ERSE e ver o que pode poupar.



Negoceie e reavalie os contratos de seguros do lar


Se há área de negócio competitiva é a dos seguros. Apesar de representar um trabalho minucioso, a negociação ou alteração dos contratos de seguros pode representar uma poupança significativa no orçamento. Claro que cada caso é um caso, uma vez que os mediadores têm a liberdade para oferecer um preço competitivo e o lar pode ir buscar uma fatia considerável de poupança caso tenha um mediador eficaz e amigo da sua carteira. De qualquer forma, coloque as mesmas questões com os mesmos dados a todos os fornecedores, para poder fazer uma comparação imparcial e não cair em engodos.


Para 20 funcionários, um lar pode despender à volta de 25000€ anuais em seguros de acidentes e doenças profissionais. Mas, dependendo do mediador, pode poupar por cada trabalhador até 87€/ano.



​O lar pode também poupar nos seguros de viaturas, que podem ter uma variação significativa. Os contratos com as seguradoras em relação à frota do lar de idosos podem ter um peso significativo no balanço anual, mas este valor pode reduzir ao ser renegociado. Por lei, as viaturas apenas são obrigadas a circular com o seguro de responsabilidade civil, que cobre os danos corporais e materiais causados a terceiros. Estes seguros ficam mais em conta do que um seguro contra todos os riscos. Pelo meio estão ainda variáveis como a cobertura para substituição de vidros ou um veículo de substituição em caso de avaria ou acidente. São estes parâmetros que ditam o valor final do seguro automóvel, que pode ter diferenças significativas a nível do valor final, conforme o mediador. Qualquer seguro automóvel poderá ser descontinuado, mediante um aviso prévio de trinta dias.


Procure pacotes de Internet, TV e telefone mais favoráveis


Para além dos seguros, as empresas de telecomunicações também estão num mercado muito competitivo, o que favorece o consumidor final. Em primeiro lugar, deve ser feita uma avaliação da fatura detalhadamente. Pode ter um contrato com determinados minutos de telefone, que habitualmente não é consumido na totalidade, por exemplo, e optar por um pacote menor. O lar de idosos deve ficar atento às ofertas e promoções, tanto da empresa já contratada como a dos concorrentes. Poderá encontrar um acordo mais favorável que represente uma efetiva poupança nas contas do final do mês.


Se quiser um pacote com velocidade de Internet moderada, 120 canais de tv e cartões de telemóvel associados, o lar pode ter uma fatura que vai dos 37€ até aos 120€ mensais.


Simulação de contrato de comunicações para um lar em Lisboa

Mas atenção às letras pequeninas dos contratos! Deverá ficar atento ao período de fidelização do anterior contrato, caso queira mudar de fornecedor. Caso opte por um diferente pacote mas da mesma empresa, poderá ter de iniciar um novo período de fidelização.



Sensibilize toda a equipa para a racionalização dos custos


Já se vê que, para poupar nos contratos do lar, é necessário estar muito atento e ser perspicaz na escolha das empresas fornecedoras. A poupança tem de ser vista em várias frentes, e os custos fixos são uma parte fundamental de qualquer lar de idosos. Para além disto, também existe um aspecto fundamental que há que ter em conta quando se fala em poupar: é a equipa de colaboradores. É essencial conversar com a equipa e sensibilizar todos os profissionais para a importância da poupança. Do diretor técnico ao assistente geriátrico, todos têm de estar em sintonia nestes tempos difíceis. Criar uma cultura de poupança, de forma a que os cuidados prestados aos residentes idosos sejam os melhores, e prestados a custo justo. Tal como diz o provérbio popular, no poupar é que está o ganho.



Quer mais dicas de poupança?

basta registar-se ou ligar 924 059 935.

When visiting our website, you acept the cookies we use to improve your browsing experience.

 

Help?

+351 939 667 800