A importância do humor na doença de Alzheimer

Por Catarina Bouca , 03 de Setembro de 2019 Demência

A ideia de envelhecimento bem sucedido tem vindo a ganhar cada vez mais importância à medida que a esperança média de vida tem aumentado em Portugal, ao longo dos anos. É necessário ter em conta um conjunto significativo de fatores que irão ser determinantes naquilo que é a expressão de uma velhice sã e graciosa.

Comprovadamente, os estilos de vida são preponderantes na saúde. As escolhas vão influenciar o idoso, facilitando ou, por outro lado, impedindo um final de vida saudável. Neste sentido, o humor aparece como fator determinante na definição de um ou outro caminho.



Tony encontrou no humor uma forma de lidar com o Alzheimer da mãe

Com 91 anos, Elias mudou-se para casa do filho Tony, que começou a notar gradualmente sinais de ausência na mãe, sinais esses que comprovam o diagnóstico de Alzheimer. «Não parecia a mãe com quem eu tinha crescido, apenas uma frágil, minúscula e velha mulher», explicou este filho numa palestra TEDx em maio de 2018. Por essa altura, Tony, que é artista, tinha resolvido parar de pintar e começar a fotografar. E eis que a máquina fotográfica que acabara de comprar revolucionou a sua vida e da sua mãe também…

Enquanto Tony manuseava a nova máquina fotográfica, a sua mãe pediu-lhe que desimpedisse a entrada da casa de banho. Tony afastou-se e deu-lhe passagem. Passados alguns segundos, reparou que Elias bailava devagar em frente ao espelho. Tony não hesitou e começou a fotografá-la. A dado momento, Elias perguntou incrédula ao filho:



«Como fiquei tão velha tão depressa?»




Tony sentiu que a sua mãe tinha muitas mais perguntas para colocar, mas que estas ficavam perdidas entre o pensamento e a fala.

Foi sobre essas ausências que Tony resolveu desenvolver um trabalho fotográfico, que o levou a muitos lugares da vida da sua mãe, inclusivamente às alegres memórias de infância. «Consegui ver a minha mãe alegre, de repente sentia-se querida e necessária. Virei seu companheiro de brincadeiras e parceiro num trabalho que interessava aos dois!» O humor tinha-se tornado numa ferramenta ímpar para uma situação irreversível – o Alzheimer.


Tony virou companheiro de brincadeiras

​​«Com este trabalho fotográfico, a chama da minha mãe reavivou e o seu riso sobrepôs-se à tristeza. Graças a isso ganhei alguma tranquilidade acerca da ideia de ser um cuidador a tempo inteiro. A minha mãe tornou-se a minha filha e o humor o nosso principal brinquedo.»



«A diversão tornou tudo surpreendentemente belo.»




Além do projeto fotográfico conjunto, Tony conseguiu ainda pôr a mãe a fotografar. «Incumbia-a de tirar 10 fotografias por dia. À noite, falávamos sobre o porquê de cada enquadramento.»

Com isto, percebemos que Tony não só teve um papel fundamental na vida da sua mãe, mas também naquilo que é o aconselhamento e contágio de uma geração.

Conselhos do canadiano para aqueles que estão numa situação semelhante à sua:





​1. «Sejam pacientes! 

2. Absorvam e sintam-se gratos pela oportunidade de poderem passar tempo com alguém dependente;

3. Respondam a cada questão como se fosse a primeira vez. Para as pessoas com demência, é mesmo a primeira vez que perguntam.
 
4. Tornem o seu tempo o mais alegre possível. 

5. Encontrem um interesse ou uma atividade em comum.»




Uma abordagem que só traz benefícios 


O exemplo de Tony é um excelente caso, não só porque teve enorme sucesso no cumprimento da sua missão, mas porque se trata da concretização prática de muitos estudos teóricos acerca do humor na terceira idade. É certo que o humor não é considerado um tratamento para o Alzheimer ou uma receita milagrosa. A verdade é que estamos perante uma escolha de abordagem para com um doente, que irá ter um conjunto alargado de benefícios e, com toda a certeza, irá sentir-se bastante melhor.

Fonte: Notícia Público



​Encontre lar para idosos com Alzheimer

basta submeter um pedido ou ligar 939 667 800.

When visiting our website, you acept the cookies we use to improve your browsing experience.

 

Help?

+351 939 667 800