4 Dicas para melhorar a saúde mental dos idosos

Por Joana Marques , 22 de Março de 2021 Idosos


A expressão «mente sã, corpo são», do poeta latino Juvenal, nunca perdeu a sua atualidade, embora tenha sido escrita há quase dois mil anos. Hoje em dia, sabe-se que um ser humano saudável, independentemente da fase da vida em que se encontra, é aquele que está num estado de bem-estar físico, mental e social. No entanto, nem sempre é possível ou fácil manter este equilíbrio.


A saúde mental é um tema que preocupa todos os que lidam com os idosos, com frequentes perturbações do humor que comprometem a sua qualidade de vida.



Atualmente, é impossível falar da saúde mental dos idosos sem ter em consideração o impacto da pandemia de Covid-19, que foi disruptiva a todos os níveis. Já há décadas que se estuda o impacto negativo que o isolamento e a solidão têm na saúde dos mais velhos. A depressão já era uma das doenças psiquiátricas mais comuns entre os idosos, e as restrições sociais impostas pelo combate ao novo coronavírus vieram agravar a estabilidade da  sua saúde mental.


Uma saúde mental frágil é um fator de risco para os processos demenciais e tem uma influência negativa na evolução dos estados clínicos crónicos ou agudos.



Neste artigo, explicamos-lhe quais são os sinais de alerta que não deve ignorar e damos-lhe dicas que contribuem para melhorar e preservar a saúde mental dos idosos, especialmente em tempos dominados pelo confinamento e distanciamento social. 



A importância de uma boa saúde mental

 

A saúde mental do idoso deve ser vigiada e preservada e suscitar o mesmo nível de preocupação que suscitam as outras enfermidades físicas e com sintomas mais evidentes. Sabe porquê? Porque são inúmeras as doenças que têm causas emocionais ou que podem piorar devido a problemas mentais. A este processo dá-se o nome de somatização, que ocorre quando o estado emocional e psíquico gera reações físicas no organismo.


Existem uma série de doenças que surgem devido a elevados níveis de ansiedade e que são muito comuns em pessoas de idade mais avançada.



A expressão «mente sã, corpo são» traduz o que é hoje uma evidência para a medicina: o corpo físico é um reflexo das emoções e dos pensamentos, pois o organismo encontra sempre forma de sinalizar os problemas. É perfeitamente possível que o estado de saúde do seu familiar idoso piore se ele estiver mentalmente perturbado, de que é exemplo:

  • enfraquecimento do sistema imunitário;
  • dores no corpo (costas, ombro, pescoço);
  • dores de cabeça;
  • formigueiro (braços ou pernas);
  • insónia;
  • problemas cardíacos ou respiratórios (asma, bronquite);
  • dermatites;
  • perturbações no sistema digestivo (diarreia, refluxo, azia).


Esta lista inclui uma série de problemas de saúde muito comuns entre os mais velhos, que também podem ter origem ambiental ou genética. É preciso que esteja atento, porque existem muitas depressões na terceira idade por diagnosticar, pelo que qualquer alteração deve ser reportada ao médico de família. 



Esteja atento a estes sinais no idoso

Desse modo, é importante saber quais são os sinais a que deve estar atento se o seu familiar idoso apresentar algum destes problemas em conjugação com a observação de sinais que indicam uma anormalidade ou alteração emocional:

  • aparecimento de sentimentos de tristeza, angústia e ansiedade;
  • apatia e perda de interesse por atividades anteriormente prazerosas;
  • cansaço, fadiga e falta de energia;
  • irritabilidade / aumento de queixas sem motivo;
  • alterações de sono;
  • alterações de apetite (perda ou ganho de peso);
  • dificuldades de concentração, memória e raciocínio;
  • crises de choro;
  • diminuição da autoestima e negligência dos cuidados pessoais ;
  • mau humor e atitudes desagradáveis ;
  • vontade de permanecer na cama depois do acordar.


​Estes sinais alertam o familiar ou o cuidador para a existência de uma perturbação da saúde mental, que por vezes é erradamente confundida com demência, mas que pode indicar o início de uma depressão ou de outra afecção do foro mental. Esteja atento aos sinais, porque uma das melhores formas de melhorar a saúde mental do idoso é agir preventivamente antes que o problema se torne crónico ou de tratamento mais prolongado.



Dicas para melhorar a saúde mental do idoso 


De entre as razões que podem contribuir para o deterioramento da saúde mental dos idosos encontram-se a inatividade após a reforma, isolamento após a viuvez, a morte de amigos, a incapacidade de encontrar um sentido para a vida e o aparecimento ou agravamento de doenças. Qualquer uma destas situações pode gerar sentimentos de tristeza, angústia e ansiedade, e mesmo levar à depressão. Em tempos de pandemia, muitos desses sentimentos foram exacerbados.


O confinamento e o distanciamento social têm contribuído para o agravamento da saúde mental dos idosos, que são impedidos de beijar e abraçar aqueles que mais amam.




Neste contexto, é mais importante do que nunca proteger a saúde mental do seu familiar idoso e ajudá-lo a manter uma série de rotinas saudáveis que vão contribuir para que ele se sinta mentalmente mais forte e mais apto a lutar contra as adversidades do dia-a-dia.



1 - Comida saudável, mas apetitosa


Ter uma boa alimentação tem um impacto positivo no funcionamento do cérebro e contribui para a regulação do processo cognitivo e emocional. Uma dieta à base de verduras, frutas e proteínas magras, com a dose certa de vitaminas, minerais, óleos e gorduras saudáveis, ajuda a diminuir as oscilações de humor e a melhorar as funções cerebrais, os níveis de energia e a memória. 


Adapte os pratos favoritos do idoso, aqueles que lhe trazem boas memórias, para que as refeições sejam também momentos de prazer.



É muito importante que o seu familiar idoso sinta prazer quando come. Uma boa alimentação pode ajudar na recuperação de transtornos mentais, como a ansiedade excessiva e a depressão, mas não substitui a consulta de profissionais especializados. Sobre este tema, aconselhamos a leitura do nosso artigo sobre a forma como a alimentação ajuda a combater a Covid-19!


2 - Um exercício por dia, nem sabe o bem que lhe fazia


Não deixe que o idoso use o envelhecimento como uma desculpa para cultivar um estilo de vida sedentário e pouco ativo. Incentive-o a incluir o exercício físico diário e regular na rotina, porque se sabe hoje que as consequências do envelhecimento não são tão marcadas nos idosos fisicamente mais ativos.


O objetivo não é que o seu familiar idoso treine para a  maratona, mas sim que se exercite de forma a reforçar a sua autonomia no desempenho das tarefas diárias.




O exercício sistemático, adaptado e planeado ajuda a prevenir doenças crónicas, inclusivamente a depressão, e permite aos mais idosos desempenharem pequenas tarefas do quotidiano que contribuem para um bem-estar generalizado e para o aumento da autoestima.



3 - Em busca de um sentido para a vida


Ao longo da vida é o propósito que nos impele a perseguir os nossos sonhos e a concretizar os nossos objetivos. Isso não muda com o envelhecimento, embora os mais velhos tenham tendência para se apegar à crença de que as suas vidas já não têm muito sentido e que são inúteis porque já não pertencem à parte ativa da população.


O pós-reforma é uma oportunidade para novos começos. Incentive o idoso a abraçar novos projetos e ocupar os tempos livres com atividades prazerosas.



É inegável que a pandemia veio limitar as atividades em que os mais velhos se podem envolver. Desaconselham-se saídas ao exterior não essenciais e a convivência com outras pessoas. No entanto, os impedimentos são passageiros e de futuro os idosos vão poder retomar as suas ocupações: passear, ir ao café, ao cinema ou ao teatro com os amigos, fazer voluntariado e ajudar os netos. Estes são apenas alguns exemplos de atividades que conferem bem-estar psicológico e que contribuem para a felicidade do idoso.



4 - Manter a ligação com o mundo «lá fora»

Enquanto as coisas não voltam ao normal, é importante que o idoso se sinta conectado ao mundo exterior. O seu familiar idoso é daqueles que ainda não se converteram às novas tecnologias? Ensine-o a entrar nesse admirável mundo novo que é a Internet com as suas possibilidades ilimitadas.


Modernize o quotidiano do idoso! Incite-o a explorar o mundo online e mostre-lhe como a tecnologia pode fazer com que ele se sinta menos sozinho e inútil.




Sem sair de casa, virtualmente (quase) tudo é possível: fazer uma refeição com familiares e amigos através de uma videochamada, fazer «aquele» curso tantas vezes adiado, ver uma exposição, assistir a um concerto ou viajar pelo mundo. A Internet disponibiliza uma infinidade de coisas para fazer e incontáveis possibilidades de socialização, que vão ajudar a manter a mente do seu familiar idoso saudável, ativa e bem disposta!



​Procure ajuda médica, se for necessário


As sugestões do Lares Online não substituem a procura por ajuda médica especializada, caso note que o idoso está infeliz ou em sofrimento porque se sente sozinho, inútil, ou angustiado. O primeiro passo é marcar uma consulta para o médico de família, que conhece o histórico do seu familiar idoso e que faz a ponte para outras especialidades que lidam diretamente com a saúde mental.



Para encontrar um lar para idosos

basta submeter um pedido ou ligar 939 667 800.

Ao visitar o nosso site, aceita os cookies que usamos para melhorar a sua experiência de navegação. Pode ler a nossa politica de privacidade e cookies.

Ajuda?

(+ 351) 939 667 800