Plano de hidratação: como prevenir a hospitalização do idoso

Por Mariana Camargo , 12 de Outubro de 2021 Envelhecimento


A desidratação é um dos problemas mais frequentes em idosos, e também um dos mais difíceis de monitorizar. A situação consiste numa redução do volume total de água do corpo e é considerada significativa quando superior a 3% do peso corporal.

Este problema é recorrente nos idosos, pois pode ocorrer uma diminuição da perceção de sede e consequente ingestão insuficiente ou também o aumento das perdas de líquidos (por infeção, demência, diuréticos, entre outros). 

Outra circunstância também frequente é que o acesso e a ingestão de água sejam condicionados por outros problemas comuns nesta faixa etária. Nomeadamente dificuldades de mobilidade, de visão ou a engolir, alterações cognitivas, problemas originados pelo uso de sedativos, ou mesmo a limitação autoimposta do consumo de líquidos devido a incontinência.


As consequências da desidratação podem ser graves, resultando, muitas vezes, na hospitalização do idoso.



Assim, a identificação da desidratação é fundamental para prevenir, controlar ou reverter a situação, através de planos de intervenção precoces e adaptados a cada caso específico. Por isso, é de extrema importância que cuidadores e familiares sejam capazes de reconhecer a importância de uma hidratação adequada, e as necessidades normais de ingestão hídrica no idoso além das formas de monitorizá-la.

Estudos dizem que a hidratação é essencial para o funcionamento do corpo. Manter o corpo hidratado ajuda nas atividades das células, na manutenção da temperatura corporal, no funcionamento dos rins, regulação da pressão arterial, e mesmo na digestão. 



Os principais sinais de desidratação do idoso


A hidratação é essencial para a manutenção do funcionamento do corpo. É reconhecido por investigadores que os humanos, sem água, sobrevivem quatro vezes menos tempo do que sem a ingestão de comida. 

Vale lembrar que a desidratação é uma forma de malnutrição, que constitui um dos mais graves problemas entre idosos. Conheça agora quais são os sinais clínicos tidos em conta para o diagnóstico de desidratação, que merecem a sua atenção quando estiver a cuidar de um idoso:

  • Diminuição na produção de suor;
  • Mucosa oral (boca) seca;
  • Redução da elasticidade da pele, que pode ser visível;
  • Alterações do estado de consciência;
  • Urina com cor e odor intensos.


A hidratação é essencial para o bom funcionamento do corpo do idoso, e há consequências causadas pela desidratação: aumentando a morbidade e a mortalidade entre as pessoas idosas. Desidratação pode resultar em cansaço, alterações visuais e auditivas, dores de cabeça e sensação de secura. De forma mais agravada, o idoso desidratado pode experimentar um aumento das cãibras musculares, taquicardia e mesmo pressão arterial mais baixa.

São diversos os órgãos e sistemas do corpo que sofrem com a desidratação, por isso, é indispensável a atenção constante de cuidadores, familiares, enfermeiros e médicos que acompanham o idoso diariamente.



Quanta água deve beber o idoso?


É frequente, nesta fase da vida, verificar-se que muitos idosos não apreciam e não desenvolveram ao longo da vida hábitos de beber água, tornando-se necessário encontrar alternativas em outras bebidas que contribuam para a hidratação. 


As recomendações de consumo diário de líquidos, para adultos, situam-se normalmente entre 1,5 e 2 litros.



Esta recomendação varia com o volume corporal de cada idoso e com fatores externos, que podem levar ao aumento das necessidades. Por exemplo a temperatura ambiente elevada, comum durante os meses de verão, aumenta a perda de líquidos pelo corpo, pelo que deve existir maior preocupação em repor líquidos.

É aconselhável que a água na sua forma natural deve ser preferencialmente a eleita para a manutenção da hidratação do idoso, mas sabemos que muitas vezes o idoso não a aceita ou pode mesmo ter alguma impossibilidade física para consumir líquidos.



Que fazer quando o idoso não bebe água?


Para aqueles que não aceitam água na sua forma natural, apresentamos algumas outras formas de manter a hidratação do idoso. A água aromatizada é um bom método para a hidratação daqueles idosos que não apreciam água devido à falta de sabor, elas são assim alternativas para substituir sumos industrializados e refrigerantes.

Além disso, estas águas são refrescantes e deliciosas: consistem na ideia de misturar água mineral ou filtrada com frutas, ervas e/ou especiarias, e assim têm também outros benefícios no seu consumo.


Água aromatizada (com limão e manjericão, pepino ou maçã e canela), água gelificada, sopas, frutos hortícolas, leite, iogurtes, sumos de fruta naturais e infusões.



A água gelificada é uma água com textura de gel, apropriada para o idoso que tem alguma alteração da deglutição, ou para facilitar a ingestão de medicamentos. Outro método muito utilizado é incluir sopas pelo menos nas principais refeições do dia, já que a sopa contém cerca de 88 a 93% de água. Também são pratos culinários nutricionalmente muito interessantes pelo seu teor em vitaminas, minerais e fibras, por isso recomenda-se a inclusão diária de sopa de hortícolas nos hábitos alimentares dos idosos.



Cuidados a ter ao oferecer água ao idoso


Como muitas vezes os idosos se esquecem de beber água, é necessário sempre incentivá-los a hidratar-se. Procure garantir a acessibilidade do idoso a locais onde estejam presentes diferentes formas de hidratação. Há também idosos com restrição de ingestão de líquidos por prescrição médica, para eles a água gelificada (com textura de gel) pode ser uma boa saída, mas é necessário consultar o médico para saber se é recomendada.

Nunca ofereça um copo cheio de água, já que grande quantidade ingerida de uma só vez pode causar sensação de barriga cheia e ser desconfortável. É preferível oferecer meio copo de cada vez, várias vezes ao dia.


Ofereça meio copo de cada vez, evitando os copos cheios de água, e nunca dê líquidos a um idoso deitado!



Outro cuidado necessário é jamais oferecer líquidos com o idoso deitado. Antes de dar água ao idoso, verifique que está sempre sentado ou recostado em travesseiros, para evitar engasgos.

Agora, lembre-se de todas essas dicas quando for cuidar de um idoso. A desidratação é um dos motivos mais frequentes no internamento de idosos em hospitais, por isso é de extrema importância mantê-los sempre hidratados para que eles tenham o bem-estar e a saúde em dia.



​Procura lar para um idoso? 

basta submeter um pedido ou ligar 939 667 800.

Ao visitar o nosso site, aceita os cookies que usamos para melhorar a sua experiência de navegação. Pode ler a nossa politica de privacidade e cookies.

Aide?

 

(+ 351) 939 667 800